Pular para o conteúdo principal

DIREITO ADQUIRIDO À INCORPORAÇÃO DAS GRATIFICAÇÕES DE DIREÇÃO, SECRETARIA GERAL E COORDENAÇÃO DE ESCOLAS ESTADUAIS DE GOIÁS

Professores da rede pública estadual de ensino do Estado de Goiás que tenham recebido gratificação de função ou de representação por 5 (cinco) anos consecutivos ou 10 (dez) anos intercalados até 4 de abril de 1995, possuem o direito adquirido de lha incorporar em seu vencimento para fins de aposentadoria.

Esse direito está insculpido no artigo 98 da Constituição Federal do Estado de Goiás o qual prolatava o seguinte:

“O servidor que satisfizer as exigências do art. 97 desta Constituição será aposentado com o vencimento ou salário do cargo ou emprego efetivo, acrescido das vantagens previstas em lei ou resolução, fazendo jus, ainda, à gratificação de função ou de representação percebida em qualquer época, durante, no mínimo, cinco anos consecutivos ou dez intercalados, mesmo que, ao aposentar-se, já estiver fora daquele exercício.”

Além disso, o valor da gratificação incorporada será a maior percebida por 6 (seis) meses, tudo conforme a inteligência do § 1.º do artigo acima mencionado, e será reajustada, na mesma proporção, sempre que for majorada para o servidor em atividade, nos ditames do § 3.º do mesmo dispositivo constitucional.

Vale esclarecer que se trata de direito adquirido no tempo, ou seja, quem tiver configurado os requisitos aqui mencionados até 4 de abril de 1995, poderá exercer esse direito a qualquer tempo, sendo esse também o entendimento do tribunal responsável por esse assunto, Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, conforme o seguinte caso já julgado:

"DUPLO GRAU DE JURISDICAO. APELACAO CIVEL. DECLARACAO DO EXERCICIO DE FUNCAO DE DIRETOR DE ESCOLA. INCORPORACAO, AOS PROVENTOS, DA GRATIFICACAO CORRESPONDENTE. COMPROVADO QUE O SERVIDOR EXERCEU, POR MAIS DE CINCO ANOS ININTERRUPTOS, O CARGO DE DIRETOR DE ESCOLA, INCORPORA-SE, A SEUS PROVENTOS, A GRATIFICACAO REFERENTE A FUNCAO EXERCIDA. REMESSA E APELO CONHECIDOS E IMPROVIDOS". (TJGO SEGUNDA CAMARA CÍVEL. DJ 13137 de 17/09/1999. LIVRO: 553. ACÓRDÃO DE 10/08/1999. RELATOR: DES JALLES FERREIRA DA COSTA. RECURSO: 5952-7/195 - DUPLO GRAU DE JURISDIÇÃO. COMARCA DE URUANA. MARIA BENTA FAGUNDES CARVALHO X SEC. EDUCACAO DO ESTADO DE GOIÁS. DECISÃO: CONHECIDOS E IMPROVIDOS, A UNANIMIDADE)

Diante disso, o professor que se aposentar sem a incorporação da gratificação a que tem direito adquirido deverá procurar um advogado especializado para se tomar as devidas providências e, quiçá, receber a diferença retroativa.

WESLEY FANTINI DE ABREU

Comentários

Anônimo disse…
EXCELENTE EXPLICAÇÃO.
TAMBÉM, SOU ADVOGADA, E ESTAVA PROCURANDO MATÉRIAS ACERCA DESSE CASO, E DE TODOS QUE LI, ESTE FOI COM TODA A CERTEZA, ''O MAIS COMPLETO''.

PARABÉNS.

Att;
Dra. Elizete Pereira

Postagens mais visitadas deste blog

DEFESAS AMBIENTAIS COMO INSTRUMENTO DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL

Atualmente, a fiscalização ambiental, feita pela União, Estados e Municípios, tem gerado uma verdadeira avalanche de autações por infrações ambientais.

Trata-se de um grande avanço para a sociedade brasileira, infelizmente acostumada a explorar e poluir o meio ambiente sem se preocupar com o amanhã.

Talvez assim possamos deixar para os nossos filhos e netos um lugar não tão ruim para viverem. E para que isso seja possível, imprescindível são as fiscalizações e autuações.

Entretanto, não podemos fechar nossos olhos para os abusos que ocorrem diariamente nesse policiamento ambiental.

Quem for autuado, pode e deve defender-se, pois assim estará contribuindo evitar os equívocos e auxiliando na construção de uma fiscalização mais ética e equilibrada, especialmente porque atualmente muitos autos-de-infração são lavrados com inúmeros erros e excessos, como os seguintes:
Erros grosseiros no preenchimento do auto-de-infração ambiental, como equívocos de endereço, data, nome e atividade do autuado;D…

O Futuro do Brasil está nas Mãos dos Sindicatos de Servidores Públicos

Poucas pessoas estão percebendo, mas o Governo Federal e o Congresso Nacional estão transferindo a responsabilidade para sucesso do Brasil aos sindicatos de servidores públicos. Com a limitação dos gastos criou-se uma necessidade obrigatória a essas instituições sindicais de fiscalização para que os trabalhadores não sejam prejudicados em suas remunerações.
O limite de gastos a partir do ano de 2017 será correspondente ao total de gastos do ano anterior corrigido pela inflação do IPCA-IBGE desse ano anterior, com alguns gastos fora desse controle. Se o limite de gastos de um determinado ano estourar, o limite gastos do ano seguinte será o do limite de gastos ano anterior (mesmo estourado) corrigido pela inflação, e haverá proibição de concessão de quaisquer acréscimos remuneratórios ou novas contratações, inclusive as revisões anuais obrigatórias. Para retirar as proibições no ano seguinte ao de suas aplicações, os gastos do ano com punições precisam reduzir ao patamar do limite de g…