Pular para o conteúdo principal

EMENDA CONSTITUCIONAL N. 47/2005.

DIREITO À PARIDADE TOTAL DAS APOSENTADORIAS COM OS SALÁRIOS DOS SERVIDORES DA ATIVA E DIREITO DA REVISÃO DO BENEFÍCIO E DO RECEBIMENTO DAS DIFERENÇAS DE 31/12/2003 À 05/07/2005

Caros amigos servidores públicos. Só Deus sabe quantos problemas vocês têm enfrentado para se aposentarem. Os seus direitos previdenciários vêm sendo literalmente violentados desde 1998, com a Emenda Constitucional n. 20 (EC 20/98), e com a terrorista Emenda Constitucional n. 41 (EC 41/03), esta última do decepcionante e “traidor” Partido dos Trabalhadores.

No entanto, depois de tanta usurpação dos direitos dos servidores públicos, foi aprovada no dia 5 de julho de 2005 a Emenda Constitucional n. 47 (EC 47/05), que veio amenizar um pouco essa transgressão. A EC 47/05 trouxe de volta a paridade total das aposentadorias com os salários dos servidores da ativa, dando direito aos servidores aposentados entre 31/12/2005 e 05/04/2005 à revisão de suas aposentadorias, bem como o direito ao recebimento das diferenças durante todo esse período.

Toda essa situação encontra-se calcada no art. 6° da EC 41/03, que garantiu aos servidores que tiverem ingressado no serviço público até 31/12/2003 a possibilidade de se aposentarem com proventos integrais (última remuneração). Essa é uma garantia e tanto, levando-se em consideração que os novos servidores terão os proventos de aposentadoria calculados somente com base nas contribuições vertidas aos regimes de previdência do servidor público (art. 40, CF) e geral, gerido pelo INSS (art. 201, CF).

Para isso, devem atender as seguintes condições:

I – 60 anos, se homem, e 55, se mulher;

II – 35 anos de contribuição, se homem, 30 anos, se mulher;

III – 20 anos de efetivo exercício no serviço público; e

IV – 10 anos na carreira e 5 anos de efetivo exercício no cargo.

Acontece que o parágrafo único do art. 6° da EC 41/03 diminuiu essa garantia, mitigando o direito à paridade, só garantido a revisão dos valores na mesma proporção e na mesma data dos ativos. E foi justamente esse parágrafo que EC 47/05 se manifestou, revogando-o (art. 5° da EC 47/05), reestabelecendo ao servidor aposentado na forma do art. 6° da EC 41/03 o direito à paridade total (art. 2° da EC 47/05).

Finalmente uma luz, mesmo que pequinina, no fim do túnel!

Assim, por ter a EC 47/05 se originado de uma Proposta de Emenda Constitucional paralela à proposta aprovada que se tornou a EC 41/03, possui efeitos retroativos à data de vigência desta última (31/12/2005). Dessa forma, nosso escritório está à disposição de todos os servidores que se aposentaram entre 31/12/2003 e 05/07/2005 que se interessarem em pedir revisão do valor de seus benefícios com base nas novas disposições trazidas pela EC n. 47/05, bem como para receberem as diferenças dos benefícios do período acima.

Senhores servidores leitores, na próxima edição do Jornal O Servidor será esclarecido outro benefício da EC 47/05, o da redução da idade para aposentadoria. Aguardem e Leiam!


WESLEY FANTINI

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DIREITO ADQUIRIDO À INCORPORAÇÃO DAS GRATIFICAÇÕES DE DIREÇÃO, SECRETARIA GERAL E COORDENAÇÃO DE ESCOLAS ESTADUAIS DE GOIÁS

Professores da rede pública estadual de ensino do Estado de Goiás que tenham recebido gratificação de função ou de representação por 5 (cinco) anos consecutivos ou 10 (dez) anos intercalados até 4 de abril de 1995, possuem o direito adquirido de lha incorporar em seu vencimento para fins de aposentadoria.

Esse direito está insculpido no artigo 98 da Constituição Federal do Estado de Goiás o qual prolatava o seguinte:

“O servidor que satisfizer as exigências do art. 97 desta Constituição será aposentado com o vencimento ou salário do cargo ou emprego efetivo, acrescido das vantagens previstas em lei ou resolução, fazendo jus, ainda, à gratificação de função ou de representação percebida em qualquer época, durante, no mínimo, cinco anos consecutivos ou dez intercalados, mesmo que, ao aposentar-se, já estiver fora daquele exercício.”

Além disso, o valor da gratificação incorporada será a maior percebida por 6 (seis) meses, tudo conforme a inteligência do § 1.º do artigo acima mencionado, e …

DEFESAS AMBIENTAIS COMO INSTRUMENTO DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL

Atualmente, a fiscalização ambiental, feita pela União, Estados e Municípios, tem gerado uma verdadeira avalanche de autações por infrações ambientais.

Trata-se de um grande avanço para a sociedade brasileira, infelizmente acostumada a explorar e poluir o meio ambiente sem se preocupar com o amanhã.

Talvez assim possamos deixar para os nossos filhos e netos um lugar não tão ruim para viverem. E para que isso seja possível, imprescindível são as fiscalizações e autuações.

Entretanto, não podemos fechar nossos olhos para os abusos que ocorrem diariamente nesse policiamento ambiental.

Quem for autuado, pode e deve defender-se, pois assim estará contribuindo evitar os equívocos e auxiliando na construção de uma fiscalização mais ética e equilibrada, especialmente porque atualmente muitos autos-de-infração são lavrados com inúmeros erros e excessos, como os seguintes:
Erros grosseiros no preenchimento do auto-de-infração ambiental, como equívocos de endereço, data, nome e atividade do autuado;D…

O Futuro do Brasil está nas Mãos dos Sindicatos de Servidores Públicos

Poucas pessoas estão percebendo, mas o Governo Federal e o Congresso Nacional estão transferindo a responsabilidade para sucesso do Brasil aos sindicatos de servidores públicos. Com a limitação dos gastos criou-se uma necessidade obrigatória a essas instituições sindicais de fiscalização para que os trabalhadores não sejam prejudicados em suas remunerações.
O limite de gastos a partir do ano de 2017 será correspondente ao total de gastos do ano anterior corrigido pela inflação do IPCA-IBGE desse ano anterior, com alguns gastos fora desse controle. Se o limite de gastos de um determinado ano estourar, o limite gastos do ano seguinte será o do limite de gastos ano anterior (mesmo estourado) corrigido pela inflação, e haverá proibição de concessão de quaisquer acréscimos remuneratórios ou novas contratações, inclusive as revisões anuais obrigatórias. Para retirar as proibições no ano seguinte ao de suas aplicações, os gastos do ano com punições precisam reduzir ao patamar do limite de g…